Produto adicionado ao seu carrinho
Quantidade

GUIA DAS CASTAS

Uma casta designa as características comuns de um conjunto de videiras. Existem cerca de 10.000 variedades, pertencentes à espécie Vitis Vinifera, que tiveram origem na Ásia Menor. É feita uma distinção entre uvas de mesa, que são consumidas frescas ou secas, e uvas de vinho, que são utilizadas para a vinificação. Após a domesticação há alguns milénios, as espécies sofreram mutações por cruzamento de variedades para promover a resistência ou o rendimento. Apenas cerca de uma centena de variedades são cultivadas, das quais uma dúzia são as principais.

Aprender sobre o vinho através da abordagem da casta (casta única) é saber como revelar as suas próprias características, a fim de melhor compreender a noção de terroir: Um Chardonnay vinificado na Borgonha não terá o mesmo perfil que um Chardonnay australiano. Aprendemos também a identificá-los na composição dos vinhos de “assemblage”. Um verdadeiro desafio numa prova cega!

Um guia das principais castas tintas e brancas: origem, terroirs preferidos, expressão aromática (vinificado sozinho ou misturado), tipos de vinho produzido e maridagens gastronómicos básicos. Pontos de referência simples para reconhecer o perfil organoléptico das castas.

Guia das castas
Passo a passo, o que precisa saber!

Regiões/doc

DESCOBRIR

A VINIFICAÇÃO

descobrir

notas de prova

DESCOBRIR

As principais Castas Tintas

As principais Castas Brancas

Regiões e DOC, onde se encontram?  
Localize as principais áreas de produção e as denominações correspondentes

Vinho francês pinot gris

FRANÇA

Localização das regiões francesas

Vinhos do mundo pinot gris

MUNDO

Localização à escala global 

CASTAS EM DEGUSTAÇÃO
Descubra as características organoléticas de cada casta de acordo com o tipo de vinho que produz:
Vinho branco, vinho tinto, vinho rosé, vinho doce ou vinho espumante

Vinhos brancos pinot grigio

BRANCO

A sua cor é amarelo-palha ou dourado? Que aromas liberta: fruta branca ou exótica? No nariz, destaca-se o caráter floral ou as especiarias? Com base no seu terroir e no facto de ser ou não misturado, que vinho branco produz?

Vinhos tintos

TINTO

A sua cor é vermelho vivo ou vermelho tijolo? Que aromas emana, é tânico? O nariz é mais picante ou mais frutado? Com base no terroir e no facto de ser ou não misturado, que vinho tinto produz esta casta?

ROSÉ

A sua cor é rosa pálido ou intenso? Oferece vivacidade, frescura, notas frutadas ou florais? O nariz é ácido? Com base no seu terroir e no facto de ser ou não misturado, que vinho rosé produz?

HARMONIZAÇÃO
Deixe-se guiar por algumas harmonizações combinações culinárias de acordo com o tipo de vinho

Vinhos branco pinot grigio

ROSÉ

Aperitivo, tapas, marisco, vinhos para beber com os amigos, ou com um churrasco, ou mesmo um grande vinho gastronómico para descobrir com um prato sofisticado?

Vinhos branco pinot grigio

TINTO

Carnes vermelhas, pratos com molho, grelhados ou especialidades exóticas, com que é que o combinaria?

Vinhos brancos doces

BRANCO

Queijo, sobremesas, peixe, marisco, aves, tantos pratos para sublimar esta casta, qual escolher?

COMPREENDER O CONCEITO DE CASTA  

O que é uma casta?

É uma variedade de uva.


Existe uma grande variedade de castas (mais de 10.000!) que descendem todas do mesmo antepassado, a Vitis Vinifera cujas origens remontam à era terciária, há cerca de quarenta e cinco milhões de anos.

Ao longo dos séculos, o Homem domesticou as castas selvagens que pareciam adaptar-se melhor ao solo e ao clima, cruzando-as para obter melhor resistência e rendimento. Entre elas, as castas de uva preta (essencialmente para vinho tinto) são separadas das castas de uva branca (essencialmente para vinho branco), e a mesma casta é por vezes encontrada sob um nome diferente, dependendo da latitude.

Existem 210 variedades de uva autóctones indígenas utilizadas na produção de denominações de França, e 400 em Itália, a título de comparação. Em algumas regiões produtoras de vinho, como a Alsácia, a seleção é tão antiga e está tão antiga, integrada na tradição, que a casta substitui o local para designar o terroir. Por vezes, o vinho provem de uma única casta (monovarietal), por vezes é o resultado de uma combinação de várias, caso em que é chamado "d'assemblage" ou vinho de lote. Em termos gerais, as castas pretas produzem vinho tinto, e as castas brancas vinhos brancos. Algumas castas dão-se bem as zonas frias do norte (Pinot Noir, Sauvignon, Chardonnay, Gamay...), enquanto outras preferem as zonas quentes a temperadas, no sul (Syrah, Merlot, Cabernet-Sauvignon, Mourvèdre...).

Porque é interessante conhecê-las


A abordagem à prova de vinhos através de castas é muito interessante.

Aprender a descobrir castas é uma ótima forma de aprender a descobrir o sabor do vinho viajando pelos terroirs.

A abordagem varietal como identificador do estilo de um vinho é recente. Está ligada ao progresso da ampelografia: o estudo das castas, etimologia do grego antigo "ampelos" (vinha) e "graphein" (escrever). Um método muito apreciado pelos anglo-saxões, que procuram um vinho por casta, porque no Reino Unido, do outro lado do Atlântico e na Austrália, os países produtores de vinho trabalham frequentemente o seu vinho em monovariedades (sem misturar castas diferentes), castas importadas da Europa e que se adaptam bem ao tipo de clima.

Esta é também a razão pela qual estes vinhos estrangeiros não têm uma denominação geográfica ou uma denominação de origem controlada: é a casta que tem precedência sobre a origem (terroir). É por isso que por vezes estes vinhos são criticados, pois nestes não existe a noção de terroir, uma vez que o trabalho do viticultor é reduzido ao mínimo.

Por fim, aprendemos a identificá-las em vinhos de lote, graças às suas características organoléticas.

AS CASTAS, UMA LONGA HISTÓRIA


Há muito, muito tempo... Todas as vinhas descendem de uma única variedade chamada "Vitis Vinifera" do botânico Lineu. Diz-se que data do período terciário.
Alguns argumentam que as vinhas do norte são o resultado de antigas vinhas indígenas (vinhas selvagens), outros acreditam que o Homem domesticou as espécies, selecionando as mais bem adaptadas ao solo e ao clima. Nem sempre os especialistas chegaram a acordo sobre a filiação das castas. A ampelografia e as técnicas científicas modernas dissiparam as dúvidas através do rastreio do ADN das variedades.

Como todas as grandes obras humanas, a descoberta do vinho é reivindicada pelas principais civilizações na altura e no local do seu presumível surgimento. Os egípcios atribuem-no a Osíris, os arménios a Noé, os gregos a Dionísio e os romanos a Baco, divindades sonhadoras e ávidas. Segundo Heródoto, já os persas gostavam de vinho, e quando discutiam um grave problema de estado, faziam-no duas vezes: uma com o estômago vazio e outra sob a influência do vinho. Não será esta uma forma de sabedoria?

O vinho do Cáucaso, conhecido como o vinho mais antigo do mundo, chegou em tempos às margens do Golfo Pérsico.

Este mundo, precursor de muitas ciências e técnicas, encarregou-se de regular a produção e comercialização do vinho. Com incrível discernimento, distinguiram entre "vinhos de planície", para consumo quotidiano, e "vinhos de montanha", reservados aos sacerdotes e aos nobres.

Em 3000 a.C., os egípcios plantaram vinhas para produzir "vinho funerário". Ao mesmo tempo sabemos que os chineses já bebiam vinho. Era vinho de uva, de trigo ou de arroz? Utilizavam-no também para fermentar couve e obter o antepassado do chucrute que conhecemos hoje em dia.

Na Babilónia, em 2000 a.C., o famoso código de Hammurabi regulamentou a compra de vinho. Se um comerciante mentisse sobre a qualidade e a quantidade, era lançado à água. Os gregos plantaram as suas castas na sua região de eleição, a Toscana. Ainda hoje é considerada a região que produz os melhores vinhos italianos. A história da videira continua na Gália: Temos de dar a César o que é de César, pois foram os romanos que organizaram as principais e prestigiadas vinhas do património francês. Os gauleses, ferozes populações celtas e grandes bebedores de cerveja, provaram ser excelentes viticultores! Foram eles que pensaram conservar vinho em barris de carvalho, enquanto os romanos, gregos e fenícios e todos os seus antecessores só conheciam odres e ânforas que não eram muito adequados para um envelhecimento nobre. Os vinhos franceses eram tão bem exportados para Roma que o Imperador Domiciano ordenou que as vinhas fossem arrancadas para eliminar a concorrência dos viticultores italianos.

Com a queda do Império Romano, a Igreja tomou o poder: papas, bispos e monges tomaram posse das maiores propriedades. Os vinhos de Borgonha, por exemplo, beneficiaram da influência das abadias de Cluny e Cîteaux. Saltemos agora uns séculos até à Revolução, em que serão os vinhos de Paris, Orleães e Champanhe a ganhar protagonismo, pois a dificuldade de transportar os vinhos favorecia o cultivo o mais próximo possível dos locais de consumo. Foi no século XIX que os caminhos-de-ferro começaram a transportar vinho do sul de França em grandes quantidades para abastecer "as massas trabalhadoras". Nessa época, a região de Languedoc Roussillon ganha uma péssima reputação. A filoxera devastou ¾ das castas de uvas francesas. No entanto, graças às descobertas de Pasteur, a vinha francesa consegue erguer-se das suas ruínas, a qualidade melhora e obtém-se o que hoje conhecemos: um dos melhores vinhos do mundo. As Denominações de Origem Controlada (DOC) determinam rigorosamente que castas podem ser utilizadas para produzir um vinho DOC e em que proporções. Outros viticultores mais liberais elaboram vinhos franceses longe dos regulamentos, fazendo o jogo das misturas com mais liberdade e produzindo vinhos igualmente interessantes. Mais comuns no estrangeiro, os vinhos varietais (elaborados a partir de uma única casta) também encontram o seu lugar na paisagem produtiva francesa e despertam a curiosidade dos mais conhecedores. Uma abordagem que também se adapta às mudanças climáticas da nossa época.